ParaíbaPernambuco

História da panificação


Nossas avós nos ensinavam: se for imprescindível jogar um pedaço de pão fora, beije-o primeiro. Este ato vinha carregado de significados, e o principal deles era o fato de o pão ser o símbolo do alimento assim como a água a primeira das bebidas. Feito de trigo e envolvido em todo um sentimento religioso, o pão ainda não cedeu seu lugar a ninguém. Hoje, mais do que nunca, ele é celebrado com inúmeras receitas que vão do simples trigo até o mais sofisticado dos ingredientes. A todo momento abrem-se lojas especializadas em pães, as padarias aumentam seu arsenal de variedades, confeiteiros famosos viajam em busca de novidades.

A origem do pão se confunde com a própria história da humanidade. Tecnicamente é um alimento que resulta do cozimento de uma massa feita com farinha de certos cereais, água e sal. A importância deste alimento era tão grande para os antigos que no Egito serviu até como moeda corrente, sendo eles os primeiros a acrescentar um líquido fermentado à massa do pão para torná-la leve e macia.

Pelo aspecto religioso, o pão é o símbolo da vida, alimento do corpo e da alma, símbolo da partilha. Ele foi sublimado na multiplicação dos pães, na santa ceia e até hoje simboliza a fé na missa católica, a hóstia, representando o corpo de Cristo. No Brasil, o início da fabricação do pão obedecia um ritual próprio, com cerimoniais, cruzes na massa, ensalmos para crescer, afofar e dourar a crosta.

Com o passar dos anos, aquelas crendices deram lugar à modernidade e, por ser o pão um alimento muito importante e altamente consumido por todas as classes sociais, quando produzido em escala comercial sempre representou um excelente negócio, fato que nos leva à concluir que o aperfeiçoamento da atividade é condição básica para o sucesso do panificador.

Atualmente o Brasil ainda consome pouco pão em relação a outros países, mas o brasileiro tem apresentando um crescimento no consumo. Existem grandes diferenças regionais no consumo de pão, pois algumas regiões no Leste e Sul consomem cerca de 35kg, enquanto no Nordeste atinge os 10kg.